Música Internacional: O que rolava na década de 60

A década de 1960 foi marcada pelos músicos que lançaram seus sucessos que são muito conhecidos até os dias de hoje.

O som dos anos 60

Nos anos 60 o rock deixou de ser o som dos jovens e começou a ocupar espaço nas paradas musicais de sucesso.

Músicas que embalaram paixões

O amor sempre foi poliglota, e as canções de amor também.

Twist a dança dos anos 60

Em 1959, um cara de nome Hank Ballard, compôs uma música chamada The Twist e meio que extraiu uma dança um tanto quanto estranha.

Nos tempos da brilhantia: A eterna elegância dos penteados dos anos 60

As influências dos anos da brilhantina permanecem inabaláveis atualmente, quando o visual retrô vai e volta à moda.













Compartilhe nosso Player no Facebook e mostre para seus amigos o que você está ouvindo aqui, é como uma postagem, você pode excluir quando quiser !

Rádio Brilhantina é uma rádio filiada da Rede Web Rádio Épocas a sua rádio saudades.

10 Curiosidades Sobre o Fusca




1. O Fusca é o carro fora de linha mais emplacado do Brasil.


2. O Fusca foi um dos poucos modelos de automóvel na história que nunca sofreu nenhum recall.

3. O Fusca foi o primeiro carro fabricado pela empresa automobilística alemã Volkswagen. Seu nome original era KDF – Kraft Durch Freude, que significa “Força Através da Alegria”.


4. O primeiro protótipo do Fusca foi produzido por Ferdinand Porsche, fundador da marca de automóveis esportivos Porsche. Quem deu o aval para a produção foi o ditador alemão Adolf Hitler.

5. O primeiro lote de Fuscas chegou ao Brasil em 1950. Fabricadas na Alemanha, todas as 30 unidades foram importadas pela família Matarazzo.


6. Os primeiros Fuscas produzidos no Brasil não eram montados pela Volkswagen, mas por uma empresa chamada Brasmotor, que importava as peças.

7. O Fusca é o automóvel que ficou mais tempo em produção no mundo todo. Os primeiros protótipos foram fabricados em 1934 e os últimos, em 2003. O último modelo foi produzido no México. O problema é que ele está prestes a perder esse posto para o Toyota Corolla.


8. O Fusca voltou a ser produzido em 1993 no Brasil a pedido do ex-presidente Itamar Franco, que concedeu incentivos fiscais. Mas como as vendas não deslancharam, a Volkswagem foi obrigada a interromper a produção em 1996.

9. Você sabe quantas peças são necessárias para a produção de um Fusca? De 5 mil a 7 mil peças!


10. O Fusca é chamado em Portugal de Carocha. Nos Estados Unidos: Beetle. Na Venezuela: Escarabajo. Nas Honduras e em Guatemala: Cucarachita. E em Cabo Verde: Baratinha.






Fonte:cafesempo.com.br

'O Ritmo da Chuva', sucesso da Jovem Guarda é gravado por Fernanda Takai



A cantora Fernanda Takai, que há mais de duas décadas está à frente do Pato Fu, acaba de lançar um videoclipe para seu novo DVD solo Na Medida do Impossível Ao Vivo no Inhotim. O videoclipe é da apresentação da canção O Ritmo da Chuva, que é uma versão da canção Rhythm of the Rain, que fez sucesso nas vozes dos The Cascades. Tal versão foi composta e gravada pelo cantor brasileiro Demétrius, tendo ficado na memória da artista, após ter feito parte da trilha sonora da novela Estúpido Cupido, de 1976.

Essa não é a primeira vez que Fernanda grava tal canção. Sua versão também está presente no projeto Um Barzinho – Um Violão – Jovem Guarda, de 2004, em que estava acompanhada de Rodrigo Amarante, dos Los Hermanos. No novo registro audiovisual, há mais uma gravação do período da jovem guarda, o rockabilly brasileiro: A Pobreza, que fazia sucesso com Leno e Lílian. Aliás, faixa A Pobreza estava cotada para ser interpretada no especial de 2004, mas não pôde ser incluída no repertório.
Foto: Beto Staino [Divulgação]

O DVD foi gravado em Inhotim, importante acervo de arte ao ar livre localizado em Minas Gerais e que tem tudo a ver com a poesia da música de Fernanda, em setembro de 2016, depois de dois anos de turnê do disco Na medida do Impossível, lançado em 2014. Na Medida do Impossível Ao Vivo no Inhotim foi dirigido pela Árvore Filmes, produzido por John Ulhoa e com coordenação geral de Patrícia Tavares (Do Brasil Eventos).




Fonte:www.caferadioativo.com

Nos tempos da Jovem Guarda


No ano de 1965 um programa dominical chamado jovem guarda deu início a um dos maiores e mais notáveis movimentos da musica popular brasileira.

O programa jovem guarda era apresentado pelos mais ilustres cantores da época, sendo eles:

Roberto Carlos
Erasmo Carlos
Wanderléia
Esses três astros da música brasileira tornaram-se símbolo do movimento.

Roberto Carlos passou a ser conhecido com “rei”, Erasmo Carlos como “tremendão” e Wanderléia como “ternurinha”.

Jovem Guarda
O programa dava muita ênfase para artistas e bandas da MPB, alguns dos maiores destaques foram:

Os Incríveis
Os Vips
Renato e seus Blue Caps
Trio Esperança
Golden Boys
Ronie Von
Silvinha
Jerry Adriani
Lilian e Ed Wilson
Martinha
Eduardo Araújo
The Fevers


As composições de Roberto Carlos e Erasmo Carlos traziam a tona em suas melodias uma atitude rebelde.

Que chocava a sociedade da época e enlouquecia a juventude.

No rádio, na televisão e também nos cinemas, os compassos rebeldes da MPB marcaram época e continuam a influenciar gerações até hoje.

Inegavelmente os maiores astros da música brasileira fizeram parte da jovem guarda e consagraram-se como ídolos nacionais.


Apesar da rebeldia presente no movimento, os artistas dessa época entoavam belíssimas canções.

Que tocavam fundo nossos corações, pois traziam em si muito romantismo e paixão.

Além de canções românticas, os festivais de MPB evidenciavam os maiores sociais da época.

Por este motivo, grande parte das músicas da época foram censuradas, e os compositores dessas canções foram presos ou exilados.

Geraldo Vandré foi o autor da melodia que se tornaria o hino contra a repressão. A canção foi intitulada como “Pra Não Dizer Que Eu Não Falei das Flores”.

Que traz em sua letra palavras belíssimas e profundas.


Além de Geraldo Vandré, Elis Regina, Milton Nascimento, Edu Lobo e Jair Rodrigues, também entoaram canções na luta contra a repressão.

Esse e tantos outros conflitos fazem desses artistas grandes representantes da liberdade em nosso país.

Demonstrando que além de talentosos, nossos astros musicais também possuem grande importância histórica.



Fonte Informações:fmhits.com.br

5 coisas boas provam que os anos 60 foram melhores que hoje



A década de 60 foi muito importante, marcada por muitos movimentos sociais  a favor de importantes causas. Vários fatos do contexto econômico, político e cultural passaram a ser debatidos com mais liberdade, coisas que nos anos 50 eram inaceitáveis.

Debates por grupos de contracultura que tinham em mente maior aceitação, pacifismo e oposição a sociedade de consumo. O surgimento do feminismo, movimentos a favor de homossexuais e negros também marcaram a década.

Por isso, fizemos uma seleção das coisas que provam que os anos 60 foram revolucionários, incríveis, fantásticos, e que você vai morrer de vontade de ter vivido essas década com muita intensidade. Confira:

1 – Surgimento do movimento Hippie


O movimento hippie buscava um questionamento da existência e era muito além de considerações econômicas e políticas. Os hippies da década de 60 tiveram um modo de viver muito diferente do modo em que vivemos hoje (onde as pessoas são altamente capitalistas). O lance é que os hippies eram muito próximos da natureza, artesanato e o estilo de vida era comunitário e parecido com a vida nômade. Além de que eles não estavam de acordo com os valores tradicionais da classe média americana e das economias capitalistas

2 – Música


A década de 60 foi sem dúvida uma época muito importante para o mundo da música. Conhecido também como “anos rebeldes”, nos anos 60 explodiram vários artistas e bandas consagradas como Bob Dylan, The Doors, The Beatles, Janis Joplin, Jimi Hendrix entre outros, que tiveram uma grande influência para os grupos sociais e para os movimentos da época.

3 – Moda


Jovens que eram inspirados em Elvis Presley passeando em suas lambretas e as moças com vestidos e saias de bolinhas eram coisas dos anos 50. A década de 60 foi marcada pela rebeldia do Rock’n’Roll, o ritmo que embalava as festas da época. O estilo clássico foi colocado de lado e assim dando lugar as calças cigarretes. A moda da época foi considerada revolucionária pois estava acabando com com o estilo único e influenciando o jeito de vestir no comportamento das pessoas.

4 – Woodstock


O evento que aconteceu na cidade de Bethel de 15 a 17 de agosto de 1969 foi um grande marco para os anos 60, pois foi a maior manifestação de paz de todos os tempos. Um festival que teve mais de 400 mil pessoas e reuniu as melhores banda de rock da época também ficou famoso pelo elevado consumo de drogas. Artistas renomados como Janes Joplin, Santana, Jimi hendrix e The Who fizeram parte dessa brincadeira e levaram as pessoas a loucura.

5 – Conga


A marca lançada no ano de 1959 fez sucesso até a década de 70 e permaneceu entre as mais vendidas durante os anos de 1980, tendo o fim da Alpargatas nos anos de 1990. Em 2012 a marca foi relançada como um produto fashion e voltada para o público feminino, que posteriormente foi direcionado como um segmento infantil.



Fonte:www.ultracurioso.com.br

Evaldo Braga - Não se sabe quem embolsa o dinheiro dos seus direitos autorais

O cantor fluminense Evaldo Braga, o Ídolo Negro, é o maior enigma da história da MPB. Falecido há 44 anos, no auge do sucesso, ele não deixou herdeiros, não se conhecem parentes seus, portanto, não se sabe quem embolsa o dinheiro dos seus direitos autorais. Sua trajetória artística foi curta, de 1970 até 31 de janeiro de 1973, quando a Variant TL em que viajava, com seu empresário, Paulo Cesar Santoro, e  guiada por Harley Lins, um motorista recém-contratado, chocou-­se contra uma carreta, na BR­3, no Estado do Rio. Morreram os três. Vinham de Belo Horizonte, depois de uma apresentação (na época, ele fazia uma média de 70 por mês).

A morte gerou uma comoção nacional, Evaldo Braga tocava no Brasil inteiro com seu sucesso mais conhecido, Sorria Sorria. Porém se sabia muito pouco de uma figura tão pública que, ele mesmo se encarregava de embaralhar a própria biografia, adubando­-a de fantasias. No livro Eu Não Sou Lixo: A Trágica História do Cantor Evaldo Braga (Editora Noir), o escritor baiano que mora em São Paulo há 20 anos Gonçalo Junior (autor da elogiada biografia do compositor Assis Valente) tenta decifrar esta "charada, embrulhada num mistério, dentro de um enigma" (definição de Winston Churchill sobre a Rússia).

Até a idade dele está errada nos sites e blogs. Evaldo estava com 25 anos quando morreu, e não 27, como se lê por aí. Confirmei na certidão de nascimento que ele entregou à Polygram quando assinou contrato para o primeiro LP, em julho de 1970. Desde que sua morte já apareceu muita gente se apresentando como mãe, irmão, amante, filho, namorada, mas ninguém conseguiu provar o parentesco", conta o escritor.



Fonte: Informações jconline.ne10.uol.com.br

O jovem dos anos 60 e o jovem de hoje


Um dia desses estava conversando com amigos e percebi o grande número de jovens que não se interessam por participar de movimentos sociais, DCEs, DAs, CAs, Grêmios Estudantis, associações ou qualquer que seja o grupo que possa servir como voz ao jovem no país em que vivemos. Ao mesmo tempo percebi a indignação dos mesmos com a política de hoje, decepções e a falta de interesse mesmo.


Eu, sempre atuante nesses movimentos, fiquei muito triste e comecei a perceber a grande diferença dos jovens de hoje com os jovens dos anos 60, jovens esses que viveram e sobreviveram uma ditadura, buscavam informações e criticavam sobre o que estava acontecendo ao seu redor. Parece que naquela época tinham a necessidade de se expressarem, de se juntarem e mostrar o que pensavam, mostrar o que queriam para nosso país.


Criaram movimentos dos mais variados tipos e muitos viviam na clandestinidade para não serem presos, coisa que muitos foram até mesmo torturados. Idealistas, reformadores, jovens, não desistiam de ir para as ruas, de se manifestarem e participarem mais ativamente nas questões do dia a dia político de nosso país. Grupos até hoje procuram notícias de pessoas desaparecidas naquela época e, de quando em vez é localizado um cemitério clandestino ou ossadas.

Será que na época, a decepção deles com a política foi maior do que a de muitos jovens hoje? Pelo menos, hoje, podemos nos manifestar e não tem a “DOPS” nos seguindo e nem nossos amigos sumindo.

E o Jovem da atualidade? Com o mundo a sua frente na tela de um computador, deixa muitas vezes de participar de pequenas coisas que poderiam fazer a diferença. Com tanta liberdade, parece que hoje não existe aquela necessidade de se juntar, em formar grupos, seja para discutir melhorias na sua escola ou no seu bairro. Porque isso?

Sei que o jovem de hoje muitas vezes vai do trabalho para escola, da escola para a casa e desta para o trabalho, num incessante ir e vir à procura da realização profissional, confundindo-a com a pessoal. É a procura do futuro, porém pessoal e não coletivo, quando ali estarão os interesses pessoais possivelmente realizados. Parece não existir uma consciência de um futuro tão próximo e tão globalizado, desmanchando-se em nossas portas. Que tal pensar em um pequeno, ínfimo, mas o pouco tempo em que fizermos algo em prol de nossa sociedade, com certeza seremos recompensados.

Será que o antigo e temido “DOPS”, depois de extinto, conseguiu abafar a participação dos jovens de hoje?  O medo pairou por um bom tempo, reconheço. Apesar de tudo, penso que não! Ainda existem vários jovens com voz ativa em nossa sociedade, que participam de entidades estudantis, eclesiásticas ou associações e que não desistem de se fazerem ouvidos, de participarem, de serem formadores de opinião. Isso muito me motiva e faz-me acreditar na juventude e nas idéias.

Espero, que os demais jovens se espelhem nos dos anos 60! Sim, admiráveis jovens, que mesmo com milhares de ameaças e adversidades mantinham-se ativos, conscientes e participantes naquele dia a dia de nosso país. Lutaram, muitos morreram, porém muitas coisas se modificaram para melhor pela contribuição deles.

            Que tal, você pensar nisso?








Fonte: Informações Saulo Gil

Clube do Choro rejeita proposta da Prefeitura






Manifestantes: um ano e meio depois e o sonho de uma sede para o choro chega ao fim

Foto: Ilda da Silva Noronha

Um ano e meio depois de surgir em São Paulo como o “pagamento de uma dívida” do poder público com os amantes de música brasileira em São Paulo, o Clube do Choro chega a um impasse que pode levar ao seu fechamento definitivo. O congelamento das verbas para a Cultura na gestão do prefeito João Doria atingiu o projeto e suspendeu sua programação. Na tarde de ontem, os músicos fizeram uma grande roda de choro em frente à Prefeitura, com cerca de 100 instrumentistas e outras 200 pessoas que apoiavam a manifestação, segundo a organização do protesto. Uma negociação chegou a ser aberta com a Secretaria de Cultura, mas o impasse permanece.

O secretário André Sturm sugeriu, durante a manifestação para a retomada das atividades do espaço, o apoio financeiro para a realização de 1o espetáculos por semestre no Clube, que funcionava no Teatro Municipal Arthur Azevedo, na Mooca. Até o ano passado, a casa tinha uma média de 50 atividades por semestre. A proposta de Sturm não foi aceita pela direção. “Não vamos aceitar. Acreditamos na continuidade, na formação de público que estávamos conseguindo fazer naquele espaço. Dez apresentações por semestre não são suficientes para manter essa regularidade”, diz Yves Finzetto, presidente do Clube do Choro. “Não conseguimos entender qual vai ser o impacto na economia desta verba para a Cultura, uma porcentagem ínfima. É como uma família que quer economizar, em vez de cortar a conta do celular, deixar de comprar um quilo de sal”.

Sturm diz fez a proposta que poderia fazer. “Infelizmente, o recurso está congelado. É um fato. Ele dizer que não aceita (a proposta) é um direito, mas não há nada mais que possamos fazer. Não foi uma proposta de mercado persa, era razoável do ponto de vista de mercado.” Sturm diz ainda que está conseguindo descongelamentos parciais da verba da Cultura, mas que sua prioridade não seria o Clube do Choro.

“Temos o Prêmio Zé Renato, do teatro, que a gestão passada homologou mas não pagou. A prioridade é poder pagar essa dívida.”
Um levantamento feito pelo Clube mostra que, se tivesse de pagar por publicidade referente às matérias jornalísticas espontâneas que falaram do Clube, a Prefeitura teria de desembolsar R$ 6,5 milhões.


Fonte:cultura.estadao.com.br

Conseguir uma namorada exigia uma lambreta


A moda no final dos anos 50 e parte dos anos 60 era ter uma Lambreta ou Vespa. A indústria automobilística brasileira dava seus primeiros passos e comprar um automóvel era um sonho distante para a maior parte da população. Mesmo uma Lambreta ou Vespa não era para qualquer um, entretanto, ainda era um sonho que poderia ser possível.

A venda anual de veículos de duas rodas, no Brasil, está em crescimento acentuado de mais de 18% – e, se continuar nesse ritmo, entrando em circulação 2 milhões de unidades por ano, a frota de motos, em 10 anos, será maior que a de automóveis. Cinquenta anos atrás, nosso país viveu também um fenômeno que durou mais ou menos 10 anos. Foi a febre da lambreta.



Esse veículo, que hoje chamamos scooter, surgiu na Itália do pós-guerra como alternativa barata de deslocamento. Chegou ao Brasil no final dos anos 1950 e "pegou", como se dizia na época.


Propaganda da marca italiana Lambretta com os atores do filme Quando Setembro Vier. 

Esse veículo, que hoje chamamos scooter, surgiu na Itália do pós-guerra como alternativa barata de deslocamento. Chegou ao Brasil no final dos anos 1950 e "pegou", como se dizia na época.


No início dos anos 1960, filmes agora cult como Candelabro Italiano e Quando Setembro Vier (este, com Rock Hudson e Gina Lollobrigida) ajudaram na divulgação da moda e do comportamento envolvendo esse meio de transporte.

Policial aborda lambretista. Foto: banco de dados

Conseguir uma namorada exigia uma lambreta. Os jovens ricos tinham carro, claro, mas tinham que ter lambreta também. Os constantes rachas de lambretistas, e a fama de "juventude transviada", despertavam a desconfiança da polícia, que dava uma dura indiscriminada.

Você lembra da época de sucesso das lambretas?


Baixe Playbacks MIDI grátis aqui !


Na Rádio Brilhantina você baixa gratuitamente Playbacks MIDI com qualidade profissional para seu show.

Acesse nosso link: 
http://radiobrilhantina.blogspot.com.br/p/playbacks-midi.html

Jovem Guarda, quem eram eles ?


Alienados, superficiais, infantis, acéfalos, donos de uma capacidade ímpar de hipnotizar as massas com truques, gestos e canções ingênuas que desviavam o foco do combate contra os militares para o comércio milionário de uma inconveniente felicidade juvenil. Quem eram eles?, perguntavam Elis Regina, Geraldo Vandré, Edu Lobo, Gilberto Gil, MPB 4, Ronaldo Bôscoli, os críticos e os jovens universitários. Como se atreviam a tomar de assalto os espaços mais nobres da TV, do rádio e dos jornais em tempos de guerra? O que é que, afinal, havia nessa tal de Jovem Guarda?

As perguntas duraram um pouco mais de 50 anos para começar a ser respondidas. A vitrine maior era o próprio programa que deu nome ao momento: Jovem Guarda. Seus apresentadores: Wanderléa, Erasmo e Roberto Carlos. “Existia o purismo do pessoal da MPB e nós lá, chegando com guitarras, equipamentos de som novos, fazendo uma revolução que começava dentro das casas. Fomos muito contestados”, diz Wanderléa, principal mulher daquela cena e que, exatamente por essa condição, viveu mais batalhas do que seus pares. “Se fôssemos realmente tão irrelevantes quanto diziam, não teríamos tomado conta do País.”

Hoje, ela fala. Absolvida dos pecados que poderia ter cometido aos olhos da patrulha da esquerda, apontada por Ronnie Von como tão cruel quanto a própria censura da direita, Wanderléa está prestes a lançar um livro de memórias, escrito com a colaboração do jornalista Renato Vieira, e é estrela de um musical em formato de documentário chamado 60! Década de Arromba, com estreia no dia 10 de abril, no Theatro Net, depois de uma temporada de cinco meses no Rio de Janeiro.

A era das revisitações às jovens tardes de domingo compreendidas entre 1965 e 1968, época de duração do avassalador Jovem Guarda, tem encorajado personagens ligados diretamente ou indiretamente ao cenário a visitar suas recordações. Jerry Adriani, que fez 70 anos em 29 de janeiro e, no momento, se recupera de uma trombose nas pernas, prepara sua autobiografia, em colaboração com o pesquisador Marcelo Fróes, para sair até o final do ano. Paulo Cesar de Araújo, o biógrafo proibido de Roberto Carlos, está prestes a entregar à editora um novo livro sobre o cantor para ser lançado no segundo semestre. E um belo documentário, Jovem Aos 50, dirigido por Sergio Baldassarini Junior e narrado por Milton Gonçalves, segue em cartaz.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.




Fonte:istoe.com.br

A Kombi da Volkswagen no coração dos surfistas

Surfista passa ao lado de três Kombis estacionadas na praia californiana de Hermosa Beach

Como todas as manhãs, depois de pegar ondas em Hermosa Beach, próximo a Los Angeles, os surfistas Frank, Mark e Doug tomam café no mesmo lugar e lembram sua juventude nos anos 60, quando a Kombi da Volkswagen era um símbolo de liberdade.

Esses três amigos sessentões estacionam suas "hippie vans" em frente ao restaurante mexicano Brother's Burritos,
à beira do Pacífico, e se deixam levar pela nostalgia de uma era que chegará ao fim este mês, quando a fábrica da empresa alemã Volkswagen no Brasil deixará de produzir a Kombiwagen, também conhecida como Kombi ou Combi.

Kombi da Volkswagen 
Embora tenha entrado no mercado norte-americano nos anos 1950, foi na década seguinte que esta perua se tornou popular graças à contracultura de então, em particular, pelos surfistas da Califórnia, que a associavam à liberdade de pensar e de viajar.

"Os surfistas e as pessoas que gostam de acampar gostaram dela, porque era barata, tinha um bom consumo de combustível, era fácil de consertar e podia levar um montão de coisas. Eu carrego minha bicicleta e minhas pranchas", conta à AFP Frank Paine, de 63 anos.

Sua Kombi branca e verde de 1973 é decorada com estampas havaianas e esteiras de palha no teto e nas paredes. "Todos nós, que estamos aposentados agora, crescemos com a (Kombi da) Volkswagen e sentimos muita nostalgia. Todo mundo na Califórnia tem alguma história" sobre esse veículo, disse Mark Mitchler, de 62 anos, ao lado de seu amigo Doug Ball, de 63, que dirige a sua há 34 anos.

São histórias de primeiras namoradas, de viagens ao México, de acampamentos na floresta de sequoias, de gestos de solidariedade na estrada graças a uma fraternidade a qual só os que têm uma Kombi pertencem.

A Kombi foi tão marcante que ganhou um lugar indiscutível em todos os documentários sobre a cultura hippie. É a "Máquina do mistério" do desenho animado "Scooby Doo". Tem um papel importante no filme independente "Pequena Miss Sunshine". E até faz uma aparição especial na animação da Pixar "Carros", onde interpreta um veículo hippie.

O carro da paz

A voz de Bob Marley soa ao fundo, enquanto os três surfistas contam como a Kombi se transformou em um ícone da mentalidade contra o sistema dos anos 1960 nos Estados Unidos. Em um país onde, muitas vezes, o sucesso é medido pelo tamanho, preço e a sofisticação dos carros, o surgimento de um automóvel barato e austero seduziu uma juventude que desafiava a "ordem estabelecida".
"Na contracultura dos anos 1960, se transformou no carro que você tinha que ter se fosse hippie", lembra Mark. Não só se podia consertá-lo, personalizá-lo e dirigi-lo em qualquer lugar. Também era possível transformá-lo dentro dele, o que era muito apreciado pelos jovens da época.

Além disso, era como "dar um ‘tapa’ no governo e nos 'velhos' apenas dirigir um desses carros, porque, para eles, o fato de dirigirmos um carro estrangeiro era um grande insulto", acrescenta Frank.
A Kombi, para os três amigos, lembra tempos mais simples, quando os objetos eram projetados para durar para sempre e era possível entender a mecânica das coisas. "As pessoas, na verdade, chegavam a tratá-la quase como uma mascote ou um membro da família", disse Mark. "Todas são diferentes, soam diferente. As chaves funcionam, ou não funcionam, de forma diferente. Têm personalidade".

Parte de seu encanto é que a mesma carga simbólica de há mais de 50 anos continua intacta. "Esses hippies de então somos nós agora. Esses manifestantes, essa gente que era contra a guerra, amadureceu, cresceu", disse Mark.

E todos eles ainda têm uma senha nem tão secreta, uma Kombi. "Quando você está dirigindo, as pessoas sempre buzinam ou fazem o sinal da paz. Não vou daqui até minha casa (a poucos quilômetros) sem que alguém me cumprimente", afirma.





Fonte: Yahoo